Um cavalo!

20 de junho, começo um treino equestre com Carlos Pereira escudeiro que retornará mais tarde o curso e os diferentes aspectos de sua abordagem. Entretanto se você gostaria de saber mais você pode ir para um passeio no site do Instituto do cavalo e a equitação portuguesa. Em resposta a minha apresentação sobre a página sobre preciso agora elaborado na minha abordagem para passeios a cavalo e as razões que hoje levam-me a seguir este curso e não outra. Eu me virei para pôneis e longo anos de práticas semanais de equitação, sempre com paixão, bola no estômago e cartazes na sala quando eu comecei meu primeiro ano de estudo na Belas Artes de Angoulême. Seguia-se um período de quase 10 anos sem tomar um pouco de Juba, sem obter uma cheirada por uma narina sem dores e dores na bunda. Era impensável para vir de volta não para um passeio tranquilo porque no fundo foi um assunto muito sério a considerar regressar levemente (por também incompatível com o meu tempo de estudante, estilo de vida urbano). Prefiro, portanto sufocar o fogo, sacrificar uma parte de mim que me fez crescer. As palavras são fortes e o registro um pouco a brincar mas é como me senti. Os pôneis tinham ajudou-me de meu escudo é pequeno, muito tímido, eu era quem estava lutando para ir jogar sozinho no jardim ou para falar com as pessoas que não sejam os meus pais. Assim, é natural que eu voltei para os cavalos depois de deixar Paris e construído em Nantes, há alguns anos. Após uma primeira sela vagamente confiante tomei consciência da dimensão da minha ignorância do cavalo. Não era normal ter tanto medo enquanto se continuar a se divertir, esta falta de conhecimento foi na raiz dos meus medos. Isto é como eu se comprometeu a exploração de caminhos paralelos equestres, graças ao famoso sistema de metade que permite que um piloto cuidar de um cavalo (de um determinado bem, muitas vezes) forma mais autónoma e responsável. Por isso eu comecei a fazer mais perguntas e colocar-me em busca de respostas e soluções sobre o curso de técnicas equestres (que exercícios, que objectivos e progresso do trabalho) sobre o comportamento do cavalo de manipulação mais frequente que tinha um hábito até lá e procurado trabalho e tudo relacionado ao meio ambiente modo de vida, cuidados e alimentação do cavalo. E para terminar no ponto muito importante que é o piloto, minha própria psicologia e o uso do meu corpo a pé como a cavalo. Eu quase definir tudo em ordem mesmo que é óbvio que isto não é uma ordem ideal de questionamento, mas era meu. É certo que eu espero que esta entrada de formação e assimilação de conhecimentos técnicos e teóricos em passeios a cavalo, mas muito mais do que isso, eu vejo esta formação como um experimento, a nova aventura do meu percurso artístico que me permita Espero ter mais cordas para meu arco (também arco e flecha a cavalo que eu recentemente descoberto deve fazer parte do meu treinamento de passatempo) para construir e colaborar em projetos novos. Existem poucos verdadeiramente multidisciplinar treinamento equestre em França e que especialmente aberta para outros campos como as estritamente relacionadas com cavalos e prática de hipismo (mesmo se estiver realmente interessado em cavalos já está interessada em muitas coisas). Sem mencionar a guerra das capelas que existem entre diferentes abordagens equestres e prevenção da maioria do equitants para fazer as perguntas certas e a evoluir de forma satisfatória com os seus amigos de equinos. Através deste blog quero manter algum tipo de conta esta experiência e qual será o resultado. Este blog muito pessoal, não é só os pilotos mas para qualquer alma sensível à associação de ideias e pontes lançadas entre dois bancos para experiências arriscadas e práticas rigorosas para as divagações e raciocínio metódico.

ilustração © Paul X Johnson

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *